Se houve algo que as redes sociais e a web 2.0 vieram reforçar foi a noção de liberdade de expressão, o impacto cada vez mais abrangente das mensagens que transmitimos e essa tremenda capacidade de as veicularmos em massa. Contudo, nem tudo são rosas e, em pleno séc. XXI, assistimos ainda a ofensas gravíssimas à liberdade de expressão: se ontem se riscavam folhas de papel hoje bloqueiam-se os acessos à rede.

Neste sentido, é de louvar a ação conjunta do Twitter e do Google ao desenvolverem uma ferramenta que permite aos cidadãos egípcios twittar apesar do bloqueio de acesso à rede por parte das autoridades.

“A empresa (Google) colocou à disposição três telefones internacionais nos quais os utilizadores podem deixar uma mensagem de voz que o serviço twitta instantaneamente com a tag #egypt. Estiveram envolvidos neste projeto um grupo de engenheiros do Twitter e do SayNow, sendo que a Google trabalhou neste projeto durante todo o fim de semana.

Com este sistema, os interessados podem ouvir as mensagens de voz deixadas utilizando os mesmos números de telefone disponibilizados ou podem visitar a página twitter.com/speak2tweet.” refere a Folha de S. Paulo.

Não percebo onde estavam as autoridades egípcias com a cabeça quando resolveram meter o pé na argola desta forma. Se tiveram que bloquear o acesso ao Facebook, Twitter e afins, e já sabiam do poder que possuem na sociedade atual, então deveriam saber que esta seria, de entre todas as opções, a última a considerar.

*Este artigo foi escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico.

Núria R. Pinto